Drive Thru RPG

World RPG Fest 2015 – Eu fui!

17/09/2015

Eu e minha eterna cara de brava. Juro que é só a cara xD

Eu e minha eterna cara de brava. Juro que é só a cara xD

Finalmente apareço por aqui para contar um pouco do que rolou no World RPG Fest.

Cheguei em Curitiba na sexta e fui dar um rolezinho com o pessoal, mas já naquela ansiedade. No sábado nos enganamos no horário, achamos que o evento começaria de manhã e só começava 2 da tarde, mas tudo bem! O pessoal das editoras e das lojas estava arrumando os stands, e lá fomos nós dar uma forcinha. Afinal, caixas não se carregam sozinhas e eu estava lá pra ajudar, né? Aproveitei e coloquei namorido e tio pra ajudar, afinal, somos uma comunidade, jogamos juntos e não uns contra os outros ^-~

Como sou muito tímida – de verdade – cheguei sem me apresentar e nem falar nada pro pessoal da Retropunk (heh) e fui ajudando mesmo. Engraçado que Daniel e Del Angeles levaram uns longos minutos pra me reconhecer hehehe. Gente, eu existo fora da Internet, é sério! E não, não sou brava (como definiram bem, só escrevo como a professora de Português da 2ª série ú.u vícios de quem já foi professora…).

Trocando ideia com o Jonathan Tweet e o Alexandre da New Order *-*

Trocando ideia com o Jonathan Tweet e o Alexandre da New Order *-*

Caixas carregadas, uma pausa pra trocar ideia com o Jonathan Tweet. O cara é uma simpatia de pessoa. Conversamos bastante sobre o RPG aqui e nos EUA, as convenções lá fora, sobre sexismo no meio nerd e iniciativas de inclusão. Ele presenteou as Minas de Moria com um exemplar autografado do livro Grandmother Fish (que está disponível para download gratuito aqui!) e como se dá a relação entre jogos de RPG e educação, papel de tradutor, criação… foi muito legal, fico honrada de ter tido a oportunidade de trocar ideia com ele.

Então, pausa pro almoço, e os portões estavam abertos e explicar pro pessoal que a gráfica não entregou o 13ª Era e o Numenera, como esperávamos, a tempo para o evento. Claro que fiquei triste, afinal, Numenera é meu filhote, mas o que poderíamos fazer? Tenho certeza de que ninguém ficou mais triste que o Anésio e o Alexandre da New Order, porque eu sei que as últimas semanas deles têm sido 150% dedicadas aos livros, que logo devem ser enviados pra todos que ajudaram a torna-los possível.

Ai foi a hora da minha palestra, muito frio na barriga. Mas foi bacana poder falar de panorama e perspectivas da tradução do RPG no Brasil, sexismo no meio (e no mercado), a necessidade de nos unirmos para vermos a comunidade crescer, a relação próxima que a comunidade tem, o que torna o termo “mercado” não totalmente adequado… deu pra discutir várias coisas que estão ligadas. Agradeço demais todo mundo que compareceu, espero que tenha sido legal também pra vocês!

Minha cara de "que que eu tô fazendo aqui o.o"

Minha cara de “que que eu tô fazendo aqui o.o”

Então, claro, fui dar um passeio, dizer oi para as muitas pessoas que, até então, eu só conhecia online, e reencontrar os amigos que não via fazia tempo. Pude também trocar ideia sobre tradução, de forma mais reservada, com algumas pessoas, e eu fico pensando que isso é bem maluco – mas talvez eu fale sobre isso depois, quem sabe.

O primeiro dia fechou com uma passadinha num boteco, que lotou de gente legal bonita e nerd. Pudemos trocar mais ideias, dividir mais projetos, sonhos, planos. Nada como encontrar cara a cara, não é mesmo?

O segundo dia eu comecei jogando. Pude conhecer o Escola de Dragões e me apaixonei perdidamente pelo card game. Conversas com o pessoal da editora e o card está incluído nos espaços infantis que as Minas de Moria conseguirem inserir e/ou organizar em eventos de RPG! Yay! Claro que, né, tive que comprar o meu deck. Espero poder jogar muito com amigos *-*

A cara de Loki do Del Angeles xD

A cara de Loki do Del Angeles xD

Pausa no card, jogamos (finalmente) Este Corpo Mortal. O sistema é bastante complexo e a proposta dele é muito inovadora, desafiadora, mas no fim descobri que é perfeita para o tipo de narrativa que eu curto. Foi muito bom poder ter jogado \o/

Pude trocar muitas ideias. Sei que vou esquecer alguém, por isso nem vou citar nomes, mas adorei todas as pessoas com quem troquei ideia (e as com quem não troquei por motivos de: timidez xD).

Se tem algo que espero do próximo? Algumas coisas: que tenhamos mais mulheres palestrando, em mesas, com espaço no evento, mestrando; que o espaço tenha uma acústica melhor; que a Roleplayers manere ainda um pouquinho mais nos gritos ; que o pessoal que nem foi pare de reclamar de coisas que nem estava lá pra saber como foi; que passe mais devagar, porque o evento é bom demais pra passar tão rápido!

Deixo pra vocês algumas fotos (tem mais lá na fanpage!) e um convite: sabadão, no Rio de Janeiro, 1º Encontro das Minas do Rio na Redbox Store. Vejo vocês lá?

… agora, sobre as tretas…

Sinceramente, o que eu tinha a dizer, já foi dito – e foi dito anos atrás diretamente pra Roleplayers, sem fofoquinha. O evento teve seus pequenos deméritos, que em nada tiraram o brilho do encontro. Vamos parar de tacar pedra nas pessoas que estão fazendo algo e passar a fazer alguma coisa?

É isso.

Beijo!

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, macumbeira feminista, maga da Ordem do Dado, colaboradora da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de