Drive Thru RPG

Adeptos da Virtualidade

06/01/2012

Você chama isso de realidade?
Deixe-me mostrar-lhe uma outra — Realidade 2.0, se você preferir. Mais limpa, mais segura, mais democrática e completamente aberta para a expansão criativa.
Qual delas você prefere?

Hackers, crackers e reprogramadores universais da realidade, a maioria dos Adeptos da Virtualidade realiza sua mágika através de seu próprio tipo de Hipertecnologia. Através da Internet, os Adeptos da Virtualidade conectam todos os lugares; através de seus super-poderosos computadores e dispositivos de vigilância, eles vêem muitas coisas; através de implantes biônicos, planejam fazer humanos melhores.

Muitos procuram criar uma “Realidade 2.0”, alterando e melhorando este mundo, e muitos veem a Teia Digital – a Realidade Virtual de último tipo – como este mundo utópico. Outros simplesmente procuram fazer a ordem estabelecida desabar, usando sua habilidade em computação para jogar as máquinas da Tecnocracia contra seus criadores. Este veio caótico, presente na maioria dos hackers, tem guiado muitos matemáticos a focarem no caos, na tentativa de compreender o mundo quântico.

Compre o Tradition Book Virtual Adept First Edition

Sua aliança com o Conselho tem, às vezes, sido tensa. Como os Filhos do Éter, os Adeptos da Virtualidade são colocados sob suspeitas por seu passado como Tecnocratas. Ao contrário dos Filhos do Éter, que ocasionalmente chegaram a extremos para provar sua lealdade, os Adeptos não poderiam se importar menos do que quando um bando de abraçadores-de-árvores e Merlins decreptos agitam suas bengalas para a sombra de seu passado.

Os Adeptos da Virtualidade acreditam no futuro, e o futuro pertence aos Adeptos da Virtualidade.

O que era originalmente conhecido como Engenheiros do Diferencial, e que viria a ser os Adeptos da Virtualidade, devem seu reconhecimento como uma Convenção aos avanços da engenharia do diferencial de Charles Babbage e ao telefone de Alexander Graham Bell. Eles viram o potencial das tecnologias cruas e, em seguida, experimental com o telefone, e formularam suas primeiras teorias do conceito da “Realidade Virtual”, definindo, a partir daquele momento, seu objetivo de refinar a tecnologia de comunicação existentes e desenvolvimento de novos métodos de comunicação. Queriam alcançar o lugar virtual onde todas as conversas telefônicas aconteciam.

Compre o Tradition Book Virtual Adept Revised

A primeira parte do século XX viu um boom para os Engenheiros do Diferencial com a decolagem das comunicações e seu desenvolvimento sempre crescente. No entanto, devido à hesitação da Tecnocracia a responder à ameaça do Eixo na Segunda Guerra – e até mesmo o apoio ao Eixo, no início, em uma tentativa de unificação global – forçou os Engenheiros do Diferencial a tomar medidas drásticas, com vazamento de tecnologia e inserindo seus próprios números para os Aliados e, sutilmente, empurrando a União a aderir à guerra contra Hitler. Os Engenheiros – que ganharam reputação por deixarem seu trabalho se tornar um pouco rebelde – não ficaram satisfeitos com a hipocrisia da suposta União Tecnocrata.

Ao final, os Engenheiros do Diferencial manipularam a falta de informação que levou ao ataque a Peal Harbor, o que levou os Estados Unidos à guerra. Depois de fornecer evidências sobre a tendência mística dos nazistas, levaram a União a concluir que permitir tais tentativas primitivas de conquistar o mundo seria um erro, e ordenou que as convenções se opusessem ao Eixo em 20 de janeiro de 1944.

Compre o Digital Web

A verdadeira história do que hoje chamamos de Adeptos da Virtualidade começou com a morte de um deles. Alan Turing foi um matemático revolucionário cujas máquinas desafiaram as concepções de “tecnologia padrão”. Ao quebrar o código para os Aliados na II Guerra Mundial, Turing se tornou rapidamente desiludido com o sufocamento de novas tecnologias da Tecnocracia, o que o levou à lista negra. Em 1954, Turing foi encontrado morto por envenenamento de cianeto em sua casa, o que enfureceu os Adeptos, que acreditaram ser obra da Tecnocracia e um recado para silenciar suas novas tecnologias e o restante da Convenção. Isto não foi à toa.

Alan Turing tornou-se o mártir secular para os Adeptos da Virtualidade, o que levou os Adeptos a pegarem o barco rumo às Tradições (com ajuda dos Filhos do Éter). Em sua bagagem, os Adeptos trouxeram sólidas e importantes informações sobre a Tecnocracia, que entregaram alegremente ao Conselho como vingança e também como moeda de troca. A Ordem de Hermesexigiu os dados em troca da entrada no Conselho. Devido a este ato, a Tecnocracia considerara os Adeptos da virtualidade culpados de alta traição, e qualquer Adepto que caia nas mãos da Tecnocracia pode esperar uma morte lenta e dolorosa.

Compre o Digital Web 2.0

Facções

  • Ciberpunks
  • Criptopunks
  • Caoticistas
  • Hackers da Realidade

Paradigma e Outros Artigos

Habilidades

Vantagens

Talismãs

Referência

Música

Contos

Resenhista: Eva

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, macumbeira feminista, maga da Ordem do Dado, colaboradora da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de