Drive Thru RPG

Conto: Retorno ao Deserto

15/08/2010

Um conto sobre a tentativa de Busca de WildStar, para que alcançasse o próximo ponto de Arete. E, por pura crueldade da player, e para dar um toque na Húbris cuidadosamente disfarçada da personagem, uma tentativa… pode uma alma dinâmica sentar e esperar? Conto baseado em Mago: A Ascensão.

Retorno ao Deserto

Decidiu ir assim, sozinha.

E, sozinha, sentou sob o sol escaldante.

Viu o reflexo da raposa sobre o areal, então sabia que era ali que algo seria revelado.

E então esperou.

Mas o sol, não.

Implacável, encrestou-lhe a pele. “Caralho, essa maluca sempre me enfia no deserto. Tenho cara de beduína?”, pensou consigo, mais como uma forma de desabafo do que qualquer outra coisa. Não avisou ninguém para onde iria. O esposo certamente estaria preocupado… mas como dizer a ele? Ele… ele e sua voz… ele e seu jeito ácido… ele.

E ele tomou os pensamentos da moça, que nem percebeu quando suas fantasias tornaram-se ilusões, alimentadas pela febre.

Luxúria queimou-lhe a alma… não viu a noite chegar.

Deitada sobre a areia, quase encoberta, tiritou de frio. O filho… o marido… e os amigos… e os ex-amantes… e tudo, tudo o que viveu nestes já longos vinte anos passou-lhe diante dos olhos… que foram ofuscados pelo sol, quando este começou a se levantar.

Uma mulher, vestida exatamente como ela, caminhou em sua direção. Seu coração saltou.

“Mamãe?”, gritou.

A mulher, que tinha os traços de sua mãe – que, ela não percebia, eram os dela mesma – olhou-a com desprezo. E seu sorriso de raposa não deixaram dúvidas. Recompôs-se, pois não era Yue. Yue morreu no deserto das águas… mas controlou a febre, e manteve o olhar em sua guia.

A raposa gargalhou.

“Esperar, minha criança? Não quando você deve agir. Quando cansar de brincar de casinha, me procure novamente. Esperar… pfff…”.

Maiara jogou-se sobre a areia, gritando de dor e de despeito. O orgulho fora estilhaçado por aquele riso. Não haveria mais poder para ela… não haveria maior compreensão sobre a Verdade.

Sabia que não havia conseguido.

Ela esperou.

E falhou.

Autora: Eva

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, macumbeira feminista, maga da Ordem do Dado, colaboradora da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de