Drive Thru RPG

Antecedente: Santuário

05/01/2012

“Santuário” é um termo geral para um lugar onde um mago “estabelece” a realidade de acordo com seu paradigma. Este Antecedente fornece um lugar seguro para experimentos – um local protegido das intrusões mundanas ou, num certo grau, do Paradoxo. Santuários não são Reinos do Horizonte ou Capelas. Eles existem na realidade consensual, embora tenham certa privacidade e proteção. Os Santuários podem variar de masmorras cheias de geringonças científicas esquisitas até um quarto tranquilo no chalé de um Verbena, de um apartamento num bairro residencial com parafernálias de alquimia e acadêmicas até igrejinhas distantes frequentadas por fiéis Adormecidos.

Os Santuários contém muitos dos focos maiores que um mago pode usar – caldeirões, círculos de invocação, aparelhos de alquimia ou tanques de clonagem. Estes focos têm uma função dupla: auxiliar o mago com seu trabalho e ajudá-lo a manter a integridade do seu Santuário. Este estoque de focos pode ser bem incomum – ervas, aparelhos, oferendas, ossos ancestrais, alucinógenos e instrumentos musicais especiais são alguns exemplos.

Organizar um Santuário requer algum tempo de preparação. O mago escolhe um local apropriado, o provê e representa sua vontade sobre ele de alguma maneira. Os Oradores dos Sonhos podem realizar um ritual de invocação de espírito; os Cultistas do Êxtase podem compartilhar uma busca de visões; um Verbena pode preparar símbolos de proteção, enquanto um Batini pode rogar as bênçãos de Alá sobre o local. Magos novos podem herdar um Santuário de seus mentores ou compartilhar um círculo comunal. Os detalhes devem ser decididos pelo Narrador e pelos jogadores.

Como um mago “estabeleceu” a realidade dentro do seu Santuário para coincidir com suas próprias crenças, a mágika que frequentemente é considerada vulgar, será coincidente no Santuário escolhido por ele. Isso permite que ele teste seu Arete quando realiza mágikas, independente da sua “vulgaridade”. O Paradoxo também é determinado como se o efeito realizado no Santuário fosse coincidente. Santuários podem reduzir as dificuldades para mágikas se o mago gastar algum tempo, conceder um ponto temporário de Arcanum dentro do Santuário e possibilitar algumas perícias úteis. Estes efeitos duram indefinidamente, desde que o mago “restabeleça” periodicamente o paradigma do cômodo. Embora estes benefícios se apliquem apenas dentro do Santuário, combater um mago em sua casa é uma tarefa perigosa.

Muitos suprimentos esotéricos podem ser mantidos ou cultivados em Santuários – poções, minerais ou minérios metálicos, componentes animais (garras de corvos, pele de coelho, peixinhos dourados e ratos brancos), tomos embolorados, soros borbulhantes e estranhos ou qualquer outra coisa adequada. A origem desses componentes pode ser desde o clássico jardim de uma bruxa até um laboratório “equipado” com as descobertas de um estudante. Todos os tipos de magos aguçam sua concentração com os “ornamentos” adequados. Eles normalmente dependem do tipo de Santuário.

Os Santuários só podem abranger um ou dois cômodos – nada maior do que cerca de 19 metros quadrados. Tradições diferentes recebem -1 para usar os “locais de trabalho” dos outros, devido a pequenas diferenças de paradigma. Alguns magos podem nem mesmo usar os Santuários dos outros – os Filhos do Éter não encontrarão muita utilidade em um cemitério ancestral. Os Santuários recebem níveis de acordo com seu estoque de suprimentos, seus efeitos sobre as dificuldades dos testes de mágika, e o Arcanum que o proprietário recebe quando está no seu “lar”.

Estoque marginalmente adequado; nenhuma redução de dificuldades, embora todas as mágikas do seu dono sejam coincidentes aqui. Um ponto de Arcanum.

Estoque pequeno; dificuldades reduzidas em 1. Dois pontos de Arcanum.

Estoque razoável; dificuldades -2. Três pontos de Arcanum.

Estoque bom; dificuldades -3. Quatro pontos de Arcanum.

Estoque excelente; dificuldades -4. Cinco pontos de Arcanum.

Fonte: Livro das Sombras – página 49
Tradução: Devir

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, macumbeira feminista, maga da Ordem do Dado, colaboradora da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de