Drive Thru RPG

Um Paradigma Sechati para a Ordem de Hermes

10/10/2012

Como a galera que acompanha o Facebook viu, a Emi resolveu largar de preguiça e Narrar Mago online pra uma galera que foi rapidinha e garantiu sua vaga na mesa. Aliás, se você não estava sabendo, dá like na nossa página no Facebok :D

E como eu fui rapidinha e consegui minha vaga, criei uma Hermética para a mesa. Ao contrário do que pode parecer, eu nunca joguei com a Ordem de Hermes em mesas. Até hoje, joguei de Cultista do Êxtase, Adepta da Virtualidade, Irmã de Akasha e Vazia, apesar de, de uns tempos pra cá, a Ordem de Hermes ter se tornado minha Tradição preferida. E pra essa mesa, eu criei uma maga da Casa Shaea e desenvolvi um paradigma um tanto quanto básico pra ela, mas que funciona perfeitamente – e como é uma personagem iniciante, as margens para crescer sem, no entanto, deixar de seguir o paradigma de uma das Casas que mais valoriza a Alta Ritualística.

Achei que seria uma boa ideia postar aqui – enquanto Narradora, vejo uma dificuldade muito grande de jogadores desenvolverem paradigmas para seus personagens. Vou ver se, no futuro, a gente prepara um artigo sobre o desenvolvimento do paradigma em si, para quem ainda tem problemas com isso. Segui aquele modelo dos outros paradigmas que a gente já postou por aqui, embora não seja o único. Só que ele é tão organizado que facilita muito a vida dos jogadores.

Como dá pra ver, eu só desenvolvi, até agora, o paradigma para três Esferas. Quando ela tiver mais Esferas, eu atualizo isso aqui ^-~

Paradigma para a Casa Shaea

A Tradição: As antigas Sacerdotisas acumularam milênios de conhecimentos, porém, como a Realidade é mutável, novos nomes surgem a cada dia. É dever de casa Shesati continuar estudando e acumulando conhecimento, para que, ao reescrever a história e os Nomes, a Grande Obra seja feita, apesar dos perigos de nossa era.

Magika

Nomes. Tudo tem um nome verdadeiro, e ao descobri-lo, manipulá-lo ou alterá-lo, uma Sacerdotisa pode reinventar um ser. Ao criar um Nome, pode criar o que antes não existia, e ao destruí-lo, enviar o ser portador daquele nome ao Tribunal de Osíris, para que seu coração seja pesado.

Esferas

Ars Virium: Sekhmet. O Olho do Sol, destruidoras dos inimigos de Ré e das Sacerdotisas dos deuses. Corajosa, protege Ré e seus escolhidos com o próprio poder divino, sua fúria só é aplacada quando a vingança está completa. Ilumina o mundo com a luz da Justiça Divina, mas deve-se prestar atenção para que a vingança não destrua tudo a seu redor.

Ars Materiae: Sechat. Ela é a graciosa Deusa que ensina a preservar os conhecimentos, a recuperar os antigos tomos, a construir, a interpretar. Dela são as ciências que levaram a luz de Ré para a humanidade, fazendo com que a escuridão da ignorância se afastasse através da preservação dos conhecimentos, da astrologia, da matemática e da arquitetura.

Ars Potentiae: Nu. Nu é o Caos Primordial, a Água Sagrado de onde Tudo Que Existe surgiu. Em Suas Águas surgiu o Disco Sagrado que trouxe Ordem à Criação, e Suas Águas continuam a correr. Aqueles que são ensinados pelos Deuses e Suas Sacerdotisas aprendem a encontrar, dentro de Tudo Que Existe, a Fonte da Água Divina da Criação, e a extraí-la, mudar seu curso e dela se alimentar.

Arete

Os Nós de Auset: Ninguém realiza o Grande Trabalho sem ser através dos nós mágicos da Senhora da Feitiçaria. Tudo deve ser amarrado sob Seu Sagrado Poder, e através dos Nomes atrelados a Seus nós, ao serem feitos, refeitos, distorcidos ou desfeitos, tudo é criado, transformado, alterado ou destruído. É através da compreensão do poder da Senhora da Magia e do Submundo que a Sabedoria é alcançada.

Quintessencia

Ré. Ré é a luz do mundo, o sol, é o fogo que cria e o fogo que consome, e é através dele que Nomes são criados ou Destruídos. Ré afasta a escuridão da ignorância, e sua luz incide sobre Sechat. É através do Nome Verdadeiro da Luz, que a Deusa ensinou a suas Sacerdotisas, que Nomes são destruídos, o medo é afastado e a escuridão da ignorância se afasta da face dos Despertos. Surgiu de Nu, e Nele suas Águas correm com maior pureza.

Paradoxo

Suteck. Aquele que Desfaz os Trabalhos, assassino do amado esposo de Auset. Violento, o Deus Vermelho deseja submeter todo o Trabalho de Ausar e tomar Seu lugar. Quando uma Sacerdotisa não compreende os desígnios de Auset, sua própria ignorância faz com que pague um tributo para Suteck, que se manifesta das mais surpreendentes formas. Para que a Perfeição seja alcançada, a feiticeira deve dominar todos os Nós de Auset, com os quais Suteck será para sempre subjugado.

Despertar

Ler O Nome de Ré. Auset tornou-se a Senhora da Magia ao descobrir o Nome Verdadeiro de Ré. Despertar é encontrar, em Nu que existe dentro de si, um fragmento de um dos Nomes Dele e se colocar sob a proteção de Auset. Mas, para que o Nome Verdadeiro seja apreendido em sua totalidade, deve-se sempre se colocar sob os desígnios de Sechat, pois Ela é quem compila Tudo O Que Existe.

Antecedentes

Avatar: As Lágrimas de Ré. As Lágrimas de Ré fizeram com que o homem e a mulher surgissem do barro, e tudo sobre a terra lhes fosse dado. A porção de Ré, existente dentro de cada ser perfeito, sob a proteção de Nu, atrai para uma sacerdotisa a proteção de um Deus, que influenciará o caminho do Desperto e sua Sorte.

Biblioteca: O Legado de Sechat. Enquanto tem o conhecimento visível de Tudo O Que Foi, O Que É e O Que Será, Sechat ensina a Suas sacerdotisas Despertas como recolher e preservar tais conhecimentos em Casas de Livros.

Recursos: Bênção sobre o Nilo. Os Deuses cuidam dos seus filhos. Quando o Nilo baixa suas águas, a terra se torna fértil. A fertilidade material deve ser usada com sabedoria, pois o acúmulo desmedido em detrimento do crescimento espiritual apenas pesará no coração dos humanos. Deve-se buscar as Bênçãos sem, no entanto, se esquecer que as águas são perigosas e os ignorantes podem se afogar.

Arcanum: O Manto de Nuit. Nuit ensina a todas as Sacerdotisas dos Deuses Antigos como se ocultar de seus inimigos sob Seu Manto Estrelado.

Autora: Eva

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, bruxa feminista, maga da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de