Apadrinhe o Livro dos Espelhos!

Os Arquétipos na Fantasia – Parte 1

06/12/2012

O artigo de hoje é uma contribuição enviada pra gente por A. Z. Cordenonsi, autor de contos de fantasia e ficção, do livro Duncan Garibaldi e a Ordem dos Bandeirantes e professor na Universidade Federal de Santa Maria.

O artigo não é propriamente sobre RPG, mas serve para a criação de personagens tanto dentro quanto fora do jogo. A primeira parte do texto você confere agora! ^_^

Os Arquétipos na Fantasia

Em 1940 o escritor estadunidense Joseph Campbell escreveu A Jornada do Herói, um artigo interessante onde ele identificava seis arquétipos de personagens e os doze passos da jornada de um herói. Neste texto, investigarei um pouco sobre os arquétipos e as histórias de fantasia. Antes de mais nada, um arquétipo é um modelo, uma imagem, ou mesmo as impressões retiradas do “senso comum” sobre algo. Desta forma, um arquétipo de um personagem representaria o que se espera do comportamento do mesmo. No entanto, cabe aqui uma ressalva, como coloca Jung: os arquétipos representam forças ou tendências à repetição das mesmas experiências. Ele traz consigo uma influência específica ou uma força que impele à ação. Isso é importante para o que será explorado depois.

Não importa se desejas construir um personagem para um conto, um romance, uma saga literária, uma HQ ou um papel em um RPG; criar um ser fictício é muito mais do que estabelecer suas características físicas ou sua história. Na verdade, a história de um personagem só tem sentido se ela tem relação com o que o personagem é. E há duas questões importantes aqui: a motivação e a personalidade do personagem.

A personalidade de um personagem pode ser construída através dos arquétipos desenvolvidos por Campbell. É importante lembrar que isso não é uma fórmula de bolo de caixinha, que você segue os passos e chega a um resultado satisfatório (ou não, afinal, nunca fui muito fã de bolos de caixinha, mas vá lá…). Mas ele pode ser um ponto de partida.

O primeiro arquétipo apresentado é o HERÓI, aquele que se sacrifica pelo bem comum, o que busca a solução para o problema apresentado. Ele é um dos condutores da história e, normalmente, é o protagonista. Obviamente, não é necessário ter somente um herói em uma história, mas isso normalmente acontece. Ele confronta a morte (física ou simbólica). Ele triunfa ou perece derrotando a sombra (e, neste último caso, torna-se um mártir). A partir deste arquétipo, variantes podem ser construídas:

  • O personagem é intimidante, ele fala pelos outros e é um líder nato. Sua palavra é a lei e ele abomina o descuido. Ele se guia pelas leis. Ele é admirado pelos súditos e acredita na sua própria justiça. Exemplos: Rei Leônidas (300), Rei Lear (Shakespeare), Théoden (O Senhor dos Anéis).
  • O personagem acredita na verdade (não na justiça, que são conceitos diferentes). Ele suporta o que acha certo e não deixa ninguém para trás. Ele acredita no destino. Exemplos: Harry Potter (saga Harry Potter), Luke Skywalker (Star Wars);
  • O personagem anda com seguidores, que o admiram. Ele é charmoso e encantador. Ele não desiste nunca. Exemplos: Hércules (mitologia grega), Aquiles (Ilíada);
  • O personagem é um líder nato, é responsável e incansável. Ele pode ter muitos seguidores, que o respeitam. Ele apoia o que acha certo. Exemplos: Frodo (O Senhor dos Anéis), Katniss Everdeen (Jogos Vorazes).

Contrastado com estas personalidades, temos o ANTI-HERÓI, aquele que busca o que acha ser a justiça por motivos egoístas, pessoais, vingança ou vaidade, ou por achar que a justiça e a lei não se aplicam na sociedade atual. Há muitos exemplos de anti-heróis que podem ser citados: Dom Quixote, Rorschach (The Watchmen), O Homem Sem Nome (Clint Eastwod), Justiceiro (Marvel), Artemis Fowl.

O segundo arquétipo é o MENTOR, que pode aparecer no contexto da história como um personagem ou uma série de fatos. Este arquétipo representa a aprendizagem do herói, a forma como ele obtém as qualidades que o levarão a conduzir a trama e pode ser considerada uma projeção do que será o herói ao fim da aventura. Ele pode assumir o papel de consciência do herói ou o portador de objetos que o conduzam na sua jornada. Mesmo os anti-heróis possuem, na sua maioria, mentores também.  Este arquétipo pode reunir diversas possibilidades:

  • O personagem não permite que o aluno desista. Sua motivação é orientar os que estão abertos à orientação. Ele é simpático e bem educado, mas não possui muitos amigos. Exemplos: Sr. Miyagi (The Karate Kid), Yoda (Star Wars), Obi-Wan Kenobi (Star Wars);
  • O personagem é enigmático e não gosta de estupidez. É rígido e acredita no esforço para alcançar os resultados. Ele é motivado para ensinar as pessoas que são dignas dos seus esforços. Exemplos: Merlin (em várias histórias), Leander Hastings (O Herdeiro Mago);
  • O personagem gosta de longos discursos. Ele tem várias tarefas e discute pouco sobre elas. É enigmático, na maioria das vezes. Exemplos: Dumbledore (saga Harry Potter), Gandalf (O Senhor dos Aneis), Nicodemus Snowbeard (O Herdeiro Mago);
  • O personagem é instrutivo e convincente. Muito inteligente, orienta quem for receptivo. Ele é irônico. Exemplos: Alfred (Batman), Bartimeus (Trilogia Bartimeus).

O terceiro arquétipo é o GUARDIÃO DO LIMIAR, aquele que testa o herói em sua trilha. Estes GUARDIÕES podem representar guerreiros que, ao serem derrotados, se tornam amigos do herói, ou mesmo seus mentores. Também podem representar capitães da sombra, asseclas de menor poder que são combatidos pelo herói na trilha que o levará ao conflito final. Os GUARDIÕES podem ser representados por personagens ou objetos, cenários e, até mesmo, pensamentos.

  • O personagem é estranho e difícil de obter. Ele representa um problema que deve ser resolvido. Exemplos: pílula vermelha dada a Neo (Matrix), o sorteio da irmã de Katniss Everdeen (Jogos Vorazes);
  • O personagem é brigão, mesquinho e representa um obstáculo. Ele pode ser um valentão. Exemplos: Coelho (Alice no País das Maravilhas), Stormtroopers (saga Star Wars), Nazgûl (O Senhor dos Anéis);
  • O personagem é um tirano em seu próprio espaço. Ele obedece cegamente às regras. Ele é difícil de vencer. Exemplos: Cérbero (mitologia grega), a Esfinge (Harry Potter e o Cálice de Fogo), o Barqueiro (mitologia grega).

Quer ver seu texto publicado aqui? Toda colaboração é muito bem-vinda! Nos envie seu texto, desenho, artigo, conto, enfim, sua colaboração, através deste formulário aqui ^_~

Revisora: Eva

Sobre Colaboração

Artigos publicados por leitores ou ex-autores do blog, que gentilmente colaboraram conosco ao longo dos anos. Artigos de opinião não necessariamente expressam a opinião das autoras do blog; traduções e resenhas têm suas informações checadas.

Ver mais artigos de