Drive Thru RPG

O que são os Avatares de Mago: A Ascensão?

16/10/2012

Para quem já jogou o (muito bom!) cenário de RPG Exalted e procura fazer conexões entre a Age of Sorrows (Era das Tristezas) e o Clássico Mundo das Trevas, existe a conexão, um tantinho óbvia para os jogadores dos dois cenários, entre os magos de Mago: A Ascensão e os Exaltados Siderais de Exalted. Em um dos livros de Mago, esta possibilidade é contemplada – trata-se do Laws of Ascension Limited Edition, que trazia um prelúdio, escrito por um Sideral, e era uma mensagem através das eras, de alguém que foi para aqueles que, agora, são.

O prelúdio do livro é de arrepiar, e achamos interessante trazer pra vocês.

Esta é apenas uma das infinitas possibilidades de resposta para o que são, realmente, os Avatares. Cabe a cada um escolher aquela que achar melhor, inventar uma nova ou, então (o preferido da Eva) deixar tudo no campo das possibilidades, aguçando o sentido de mistério e de dúvida tão próprios do cenário.

Sussurros dos Exaltados

Nós somos as vozes do tempo antes deste tempo. Nós somos o fogo que queima dentro de você. Nós somos sua mão sobre o lócus da criação, e a sua transfiguração.

Antes, eramos como imensas labaredas, e agora somos como as pequenas fogueiras dos homens. Uma vez, nós moldávamos o girar dos céus. Nossos desejos mudavam os destinos dos homens e deram fim a reinos. Agora nós fomos diminuídos, ecos da grandeza que uma vez foi, sufocados lentamente no silêncio pela condenação que nossas próprias mãos trouxeram.

Nossa história é uma história de húbris  Uma vez, nós fomos parte de um crime tão imenso que palavras não podem contê-lo. Nós colocamos nossas mãos sobre os pilares do céu, e nossas facas ensanguentadas deram a luz à morte. Nosso pagamento foi o poder de moldar o destino dos homens, e nós o tomamos, porque nós eramos jovens e orgulhosos naqueles dias.

E o poder que nós ganhamos não nos trouxe nada além de tristeza. Nós eramos insensíveis com nosso poder. Nossa estrada para a perdição era pavimentada com uma centena de maldições, cada uma pior que a última, trazidas sobre nossas cabeças pelo pecado que trouxe nossa grandeza.

Em penitência, nós buscamos consertar os males do mundo sem perceber que nós mesmos estávamos adoecidos. Uma guerra travada sobre o destino da criação. Cegamente, nós seguimos profecias que nós mesmos havíamos pronunciado. Ainda que os sinais nos mostrassem que nossos pronunciamentos estivessem errados, nós fechamos nossos olhos a eles. Certamente, nossa visão não estava errada. Antes, os presságios de mau agouro eram miragens. Os sinais que ignoramos deviam ser apenas os sonhos ansiosos de covardes e mulheres velhas.

Nós estávamos errados, e o mundo foi quebrado pelo nosso erro. Desde lá, tem sido o jeito das coisas. Constantemente, nós nos estrangulamos uns aos outros, enquanto o mundo ao nosso redor cresce avermelhado com o ocaso da criação. Como era se sobrepõe a era, nosso orgulho nos constrói uma montanha de assassinatos tão grande que um homem pode parar em seu topo e fazer comércio com as coisas tristes e surradas que uma vez foram deuses.

Essa é nossa punição. Nenhum bem pode vir com o poder que nossos pecados ganharam quando o mundo era jovem. Eu vi o que deve ser feito. Eu falei com as vítimas de nosso crime terrível, enquanto elas dormem em suas tumbas. Eu olhei na escuridão.

Eu trarei justiça a esse mundo. Eu vou retornar àqueles que são seus donos por direito. Eles não são implacáveis, meus novos mestres. Nos lugares escuros além do submundo, eles nos ensinarão os erros de nossos caminhos.

Fonte: Laws of Ascension – Limited Edition
Tradutora: Emi
Revisora e comentarista: Eva

Sobre Colaboração

Artigos publicados por leitores ou ex-autores do blog, que gentilmente colaboraram conosco ao longo dos anos. Artigos de opinião não necessariamente expressam a opinião das autoras do blog; traduções e resenhas têm suas informações checadas.

Ver mais artigos de