Drive Thru RPG

Glossarium Hermeticum – Mago: A Ascensão

03/10/2010

varobirds480A seguir, trago para vocês o glossário da Ordem de Hermes. Fiz questão de conferir os Tradition Books da 1st Edition e da Revised, e assim trazer a maior quantidade possível de termos, pra ajudar a compreender um pouquinho a linguagem hermeticamente fechada (tun tun dss…) desta Tradição.

Glossário Hermeticum

Adam Kadmon: O Homem Primordial, refletindo o Divino dentro da humanidade. Visto como um guia para a perfeição capturado dentro da imperfeita forma humana.

Anima: Esfera da Vida; Esfera do Espírito (amplamente, uma menos favorecida interpretação de “espírito”, veja Manes), também Ars Animae, “a Arte da Vida”.

Arte (ou Ars): Mágika; a Esfera ou a mágika realizada com uma.

Arx Hermeticum: Simbolicamente, a estrutura da Ordem e a força de seu propósito. Literalmente, “Fortaleza de Hermes”, muitas vezes equiparada a Doissetep.

Asa: A Internet, nomeado devido às asas de Hermes e usado como nome (“Cavalguei as asas esta manhã”) e como verbo (“Onde você estava voando quando liguei mais cedo?”).

Bani: “Da Casa de”, um título de honra extensamente usado em títulos, mas geralmente em conversas mais formais. Também usado para tratar membros de outras Tradições (Aria, bani Êxtase) em situações diplomáticas. (Nota: Poucos Herméticos usam a versão extendida dos nomes das outras Tradições quando se dirigindo a elas formalmente, pelo contrário, bani cobre “Irmandade”, “Culto do”, “Filhos de”, “Filhos do”, e assim por diante — ou seja, “Kannagara, bani Akashica” ao invés de “Kannagara, bani Irmandade de Akasha”).

Cidade de Pymander: A cidade brilhante do idealismo Hermético; Utopia mágika onde toda a humanidade busca a Ascensão guiada pelos Arquimestres escondidos.

Circlus Abstrusus: O círculo interno dos Arquimestres Herméticos.

Concórdia: Unidade, a 10ª Esfera teórica; também Ars Concordiae, “a Arte da Unidade”.

Conjunctio: Esfera da Correspondência; também Ars Conjunctionis, “a Arte da Correspondência”.

Crepúsculo: Silêncio.

Domus Magnus: A Capela Ancestral de uma Casa Hermética.

Enoquiano: A linguagem dos espíritos, supostamente usada pelos lordes Umbróides. Mais provavelmente uma linguagem secreta remendada pelos Mestres da Renascença, em seguida “testada” por vários sábios e tolos, até que os reis trabalharam nela.

Essentia: Esfera das Forças (termo preferido, por enfatizar a idéia de força mágika “essencial” dentro do mago, veja também Vis); também Ars Essentiae, “a Arte das Forças”.

Fatum: Esfera da Entropia; também Ars Fati, “a Arte da Entropia”.

Heka: Mágika (palavra de origem egípcia, agora usada apenas pela Casa Shaea).

Instrumentos: Ferramentas mágikas, ferramentas rituais, ou seja, foci (foco é um termo que um mago Hermético jamais usaria!).

Manes: Esfera do Espírito (termo preferido pois o Hermeticismo tradicional associa “espírito” com “alma dos mortos”, veja também Anima); também Ars Manium, “a Arte do Espírito”.

Massasa: Vampiro(s).

Mater: “Mãe”; pronome de tratamento para uma mentora (mulher).

Materia: Esfera da Matéria; também Ars Materiae, “a Arte da Matéria”.

Mens: Esfera da Mente; também Ars Mentis, “a Arte da Mente”.

Mi’as: Termo jocoso (e adequado) para política (do árabe “areia movediça”. Quando os aprendizes se tornam magos, eles “entram no mi’as”.)

Parma Magica: Do latim “escudo mágico” — contramágika. Usado como um símbolo da solidariedade Hermética; a especialidade da Ordem de Hermes — uma forma de contramágika que ajudou na formação da Ordem.

Pater: “Pai”; pronome de tratamento para um mentor (homem).

Praxis: Qualquer sistema de prática mágika.

Pymanderphile: Termo depreciativo para um Hermético idealista.

Sa: Favor ou obrigação;tem origem nos fluidos mágicos da erudição teológica egípcia.

Sancta: Um santuário privado, usado para retiros, experimentos e estudos.

Sephierah: “Esferas”; as 10 Coroas Cabalísticas, ou os aspectos da Divindade dentro da Criação. Também usado como termo para as Nove Esferas.

Tempus: Esfera do Tempo; também Ars Temporis, “a Arte do Tempo”.

Tratado: Forma antiga para Capela, ainda usada por alguns românticos da nova geração.

Vis: Esfera do Primórdio; às vezes também se refere à Esfera das Forças (preferida pela Casa Flambeau por enfatizar a força em si ou a força física; veja também Essentia); também Ars Vis, “a Arte do Primórdio”.

Fonte: Tradition Book Order of Hermes 1st (página 7) e Tradition Book Order of Hermes Revised (página 11)
Imagem: Creation of the Birds de Remedios Varo
Resenhista e tradutora: Eva

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, bruxa feminista, maga da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de