Drive Thru RPG

Como Montar Paradigma e História para o Meu Mago? – Parte 1

29/11/2012

Olá! Hoje eu escolhi iniciar um debate sobre a forma como construímos a história dos nossos personagens para Mago: A Ascensão. Na série de artigos Fazendo a Mágika Acontecer, eu bati muito na tecla do Paradigma. Mas qual a relação do Paradigma com a história do personagem?

Bom, vamos recorrer à Wikipédia, primeiro, pra definir o que significa a palavra Paradigma:

Paradigma (do grego parádeigma) literalmente modelo, é a representação de um padrão a ser seguido. É um pressuposto filosófico, matriz, ou seja, uma teoria, um conhecimento que origina o estudo de um campo científico; uma realização científica com métodos e valores que são concebidos como modelo; uma referência inicial como base de modelo para estudos e pesquisas.

Mas inicialmente, estamos falando de personagens, que são pessoas, inseridas em um mundo que, naquelas horinhas da sessão de RPG, serão tratados como, se ali, onde estão, são pessoas reais, certo?

Onde e Quando?

Então a primeira coisa é se informar muito bem com o seu Narrador: em que cidade, estado, país e ano se passará a campanha?

Não importa que a história vá evoluir depois. Todo mundo tem uma história inicial, e sua campanha será a sua primeira história, a estreia do seu personagem na loucura altamente divertida do Mundo das Trevas. Isso é importante porque, de um modo geral, as pessoas possuem vivências, historias, experiências e conhecimentos que são possíveis dentro de um país e uma época – pessoas são, de modo geral, fruto de suas épocas, ao menos na sua concepção original. Claro que você pode (e deve!) inserir, aqui e ali, elementos que abram caminho para que o seu personagem vá além do seu tempo, afinal, estamos falando de Despertos, pessoas que sentem ou veem além daquilo que é óbvio, até chegarem a um ponto em que suas mentes se abrem.

Okay, você localizou o ano e o lugar da campanha? Minha sugestão é única: Wikipédia. É facinho ler resumos sobre a história, a cultura, a religião e os fatos políticos importantes que marcaram povos e países no Wikipédia, já que são versões resumidas, supostamente imparciais e rápidas de se ler. Isso já vai ajudar muito a definir, por exemplo, o quão aceitáveis são as crenças do seu mago para o lugar, o bairro e etc. onde ele vive, e como as pessoas vão reagir a elas e às mudanças que enxergarem no seu personagem com o tempo.

Achou a história básica do lugar? Então pergunte para o seu Narrador como é a história dele para o lugar, afinal, não estamos falando do mundo real, e no Mundo das Trevas, muitos dos acontecimentos na história de um lugar tem ali um dedinho do sobrenatural. Seu Narrador é seu melhor amigo, e pode até mesmo, em cima das suas ideias, criar mais coisas bacanas para o cenário de vocês!

Beleza, você já sabe a história do lugar, possivelmente já tem uma ideia geral de com que quer jogar. Vamos para o próximo passo…

Que Tipo de Pessoa é o Seu Personagem?

Ele é rico? Pobre? Classe média? Era do tipo estudioso ou era mais vagal? Como é a família dele? Que tipo de coisa ele aprendeu em casa? Como são seus amigos? O que o seu personagem queria ser quando crescesse (ou quer ser, no caso de personagens crianças ou adolescentes)? Qual a religião da família do seu personagem? Ou eles eram ateus? Teístas não praticantes? Não falavam muito disso?

Veja bem, é nessa parte da formação do personagem que vemos as raízes do paradigma de uma pessoa se formar. É ali, na infância, na adolescência, que temos vivências que vão ser importantes sobre como alguém verá o mundo quando crescer, seja para concordar com a sua época, seja para combatê-la. Isso é importante seja para Tradicionalistas, Tecnocratas, Vazios, Órfãos, e até mesmo para os Nefandi e os Desauridos.

Conforme crescia, como o seu personagem se relacionava com o mundo ao seu redor? Com que tipo de pessoa ele buscava amizade?

Veja que você não precisa escrever um tratado de trocentas páginas sobre isso. Você pode resumir essas coisas em frases curtas, apenas para lembrar-se de onde veio o seu personagem e qual o caminho que ele começou a seguir.

É nessa parte, também, para os magos – enquanto cresciam – que costumam acontecer as primeiras experiências inexplicáveis, o que muitas vezes significa que o seu Avatar já estava tentando te dar pistas e te orientar, ou mesmo que alguém já Desperto tinha enxergado o seu potencial e estava tentando te conduzir não apenas ao Despertar como também para o lado dele e de seu grupo.

Você Despertou e… Como Foi, ou Como Você Quer que Seja o Seu Despertar?

Essa parte é superimportante. Por mais que, muitas vezes, não se lembre totalmente de como foi, o Despertar sempre marca de forma definitiva a vida de um personagem de Mago. Sua campanha iniciará com personagens já Despertos, ou o pessoal vai Despertar durante a campanha? Você já escolheu o que o seu personagem vai ser?

Caso vá iniciar já Desperto, se dedique a escrever com mais detalhes como foi o Despertar. O Despertar gradual, como uma tomada calma de consciência do que está por trás de tudo, é muito diferente de uma tomada súbita e violenta de consciência (o que também, certeza, influencia o nível de Arete inicial que o seu Narrador vai te liberar para comprar na ficha). Não tenha pressa, aqui. Defina o que aconteceu, o que engatilhou, como foi, se ele foi guiado por alguém, se houve alguma interferência externa. Coisas que ocorrem durante o Despertar com toda a certeza influenciam a tendência do seu personagem pender para o lado desta ou daquela Tradição, Convenção, Ofício ou o que for.

Caso o seu Despertar vá acontecer durante a sessão, converse com o Narrador sobre o rumo que você quer que o seu personagem tome. Bons Narradores vão saber levar isso em consideração na hora de bolar aquele solo manero para o seu Despertar.

Estou Desperto! E Agora?

Okay, independente de como foi, você tem um personagem Desperto. Pense bem: como foi o Despertar dele? Seu Avatar se revelou de alguma forma, mesmo que através de pistas? Qual é a sua Essência? Quem estava por perto quando você Despertou? Qual foi sua reação ao Despertar?

Passo a passo, são essas coisas que vão te conduzir a, durante seu período de aprendizado (orientado por alguém ou não!), vão definir o seu Paradigma – o que vai moldar o que é possível ou não para o seu personagem.

Bem, logo mais eu continuo com esse artigo. Ele foi escrito porque muita gente chega em mim perguntando como criar personagens palpáveis em Mago. Você costuma usar algum outro caminho pra desenvolver os seus? Tem alguma dificuldade na hora de escolher com quem vai jogar?

Aguardo os comentários de vocês, okay? Eles sempre me ajudam a decidir o que eu vou abordar primeiro, ou mesmo a escolher o que expandir, dentro dos artigos, para explicar melhor alguma coisa ^_^

Para receber os resumos quinzenais das novidades do Livro dos Espelhos, notícias mais bacanas fresquinhas sobre eventos e novidades no RPG e produtos novos na nossa Loja, você pode cadastrar seu e-mail na nossa newsletter. Basta inserir seu e-mail abaixo e clicar em Assinar^_^

 

Próximo Artigo: Como Montar Paradigma e História para o Meu Mago? – Parte 2 >

Autora: Eva
Imagem: fragmento de Sparkling Desert por D-Guru e de All Halow’s Eve por Dianar87

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, bruxa feminista, maga da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de