Drive Thru RPG

>Acordos com Espíritos e Chiminage

24/10/2010

>

Magos inexperientes assumem que podem satisfazer um espírito com uma oferenda, que podem fazer um pequeno trato e sair com uma feliz relação de negócios. Os Oradores estão dolorosamente atentos que isso na maioria das vezes não é verdade.

Para começar, tal como alguns magos medíocres tentariam dar um calote e quebrá-los, alguns espíritos nem sempre irão honrar os contratos que fizeram. Na verdade, nada faz um espírito honrar um contrato, exceto talvez por orgulho, respeito, magia compulsiva ou um longo e constante acordo. Diferente dos garou, que têm um longo e constante pacto espiritual, muitos magos tem apenas sua própria sagacidade e suas boas graças nos tribunais espirituais para encorajar a cooperação.

Fora isso, um mago pode usar magias de Espírito para forçar uma submissão, mas sempre existe alguém mais importante. Se um mago também afligir um espírito, eles podem levar o assunto a uma autoridade mais alta – um Incarna ou um Celestino – que pode despachar os agentes então para lidar com o presunçoso mortal. Contando apenas com a compulsão, que é um negócio arriscado (e um motivo principal que muitos Herméticos foram tragados para fora dos reinos inferiores).

Então, quais são as fórmulas para o sucesso nas relações com os espíritos?

• Escolha um espírito que pertença a uma área de conhecimento e dever que sobrepõem ao que o mago deseja. Se você quer começar um incêndio, pegue um espírito do fogo furioso para fazer isso. Se você quer curar alguém deve chamar por um espírito da compaixão. Um mago pode usar Manipulação + Cosmologia para determinar as aflições do espírito, se ele pode fazer um acordo com ele; de qualquer forma você poderia esbarrar com um espírito trapaceiro fingindo ser outra coisa. A dificuldade de tal determinação depende do poder do espírito e de quanto tempo o mago esteve acessível. Uma boa história de troca ou uma longa jornada de compartilhamento podem ajudar a sentir as capacidades e interesses do espírito. Espíritos são naturalmente mais inclinados a fazer coisas que suas próprias naturezas promovem.

• De acordo com a posição da força. Um espírito tem mais probabilidade de honrar uma barganha quando ele sabe que o furioso mago tem poder para forçá-la caso as coisas saiam mal. Os Oradores dos Sonhos não são enganados facilmente pelas demandas dos espíritos; se um espírito começar causando muitos prejuízos ou falhas para honrar a barganha, o Orador dos Sonhos pode depois com uma lança espiritual confiná-lo em uma parte imunda da Umbra. Enquanto que atacar espíritos sem volição de uma maneira rápida para arruinar sua reputação, procurando uma recompensa justa. E lembre-se – espíritos também têm amigos, então eles sempre terão a melhor “carta na manga” para no caso de chamar outros espíritos e pedir pequenos favores a fim de escapar do contrato do mago.

• Seja consistente. Um mago que sempre executa os mesmos ritos, sempre paga chiminage e todas às vezes honram barganhas e chamarão a atenção de espíritos que querem estabelecer uma relação de longo prazo com o mago. Dessa maneira os espíritos têm uma fonte segura e consistente de poder e ainda um mortal como aliado. A partir de tais relações vêm pactos que abrangem uma vida inteira ou até mesmo gerações. Os Oradores têm mais do que suas trocas de tais pactos: um personagem com o Antecedente Aliado Espiritual pode muito bem ter um espírito companheiro que fez um pacto com um ancestral distante, e ainda ter esperança de treinar o novo Orador dos Sonhos para se tornar um aliado útil.

• Assim como os espíritos podem recorrer às mais altas entidades de sua hierarquia, os magos também podem. Embora desvendar a intrigante hierarquia dos espíritos pode vir a ser um fardo, também é útil se um espírito evitar um dever ou obrigação. Leve os fatos ao chefe, e o espírito pode não ter escolha a não ser cumprir – ou o chefe pode lhe oferecer uma compensação.

Fonte: Tradition Book Dreamspeakers Revised, página 23
Tradução: Nova Concórdia

Sobre Eva

Escritora, tradutora e revisora, bruxa feminista, maga da Dragão Brasil, Oráculo do Livro dos Espelhos e editora da Aster Editora.

Ver mais artigos de