Apadrinhe o Livro dos Espelhos!

A Guerra da Fúria – Lobisomem: O Apocalipse

30/11/2012

Uma imensa guerra entre os lobisomens e os Fera, a Guerra da Fúria foi um evento marcante no universo de Lobisomem: O Apocalipse. Levando diversas raças metamórficas à extinção ou muito próximas dela e fazendo com que os Fera restantes se escondessem ressentidos, a guerra tem um começo e motivo difíceis de discernir. No entanto, as outras raças metamórficas apontam os Garou como os carrascos e agressores. Invejosos dos dons de seus irmãos e extremamente orgulhosos, os lobos exigiam o conhecimento de todos os Dons e a liderança entre todas as raças. Tomaram para si os lugares sagrados, destruíram tudo em seu caminho e não olharam para trás.

Talvez o fato mais triste na guerra toda seja o de que isso moldou a forma como alguns Fera se relacionam com o mundo – ou como sociedades inteiras, no caso dos Ratkin. Raças como osÁpis, homens-auroque, se sacrificaram para evitar que outras tantas morressem no avanço dos Garou para a África. Talvez pelo sacrifício dos Ápis, os Ajaba, Bastet e Mokolé tenham sobrevivido.

Provando que não é errando que se aprende, os lobisomens tiveram outro capítulo triste nessa Guerra da Fúria: sua continuação, milhares de anos depois, na época das Grandes Navegações. Com a possibilidade de expansão das novas terras, não foram apenas os Uktena, Wendigo e Croatan que saíram perdendo. Uma raça inteira foi dizimada, os homens-morcego Camazotz. Piadinhas à parte, essa raça era responsável por ser a Voz de Gaia, os mensageiros nas terras do sul onde não havia corvos.

A guerra gera atritos até hoje com as outras raças, muitas vezes mortais. Os Garou são vistos como metidos, e o próprio envolvimento deles na Amazônia é visto com desprezo imenso pelos Bastet e Mokolé. Não seria a primeira vez que a “mãozinha” dos primos levou as duas raças a mais perdas que ganhos…

Na maioria imensa das vezes, lobisomens são vistos pelos outros Fera como imaturos, crianças querendo brincar com coisas das quais não entendem. Como poderiam os filhos do Lobo aprender a voltar da morte, como os filhos do Urso, sem possuir a mesma sabedoria? Como ter o dom da cura, quando tudo o que se faz é destruir? Talvez o Lobo nunca aprenda.

A verdade é que nem todo lobisomem é orgulhoso o suficiente (além de bobo o suficiente) para negar toda a Guerra. Muitos falam com pesar do ocorrido, e mais de um grupo busca reestreitar os laços com outros Fera – ou minimizar os estragos já feitos. Um grupo de Senhores das Sombras liderados pelo descendente direto do matador do último Camazotz luta para redimir o totem do Morcego, que se voltou para a Wyrm com o fim de seus protegidos. Os boatos dizem que foram bem sucedidos, ao menos com um de seus aspectos.

Talvez um dos capítulos mais negros da história dos lobisomens juntamente com o Impergium, a Guerra da Fúria mostra um aspecto importante do Clássico Mundo das Trevas, que é o do desespero e da incerteza. Mas também mostra que a redenção é possível. Será que os antigos pactos de amizade podem ser reforjados antes do Apocalipse?

Autora: Emi
Fonte: diversas

Sobre Colaboração

Artigos publicados por leitores ou ex-autores do blog, que gentilmente colaboraram conosco ao longo dos anos. Artigos de opinião não necessariamente expressam a opinião das autoras do blog; traduções e resenhas têm suas informações checadas.

Ver mais artigos de